Super Mãe Ativar - Jornalismo e Entretenimento para a Maternidade -

Leitura recomendada: meu filho não come

Por Juliana Fonseca Em 14.02.2017 Categoria: Saúde e bem estar

Livro de pediatra espanhol traz conselhos para prevenir e resolver o problema da alimentação dos pequenos

A imensa maioria das mães que diz que o filho não come tem crianças que estão engordando normalmente. A afirmação é do pediatra espanhol Carlos Gonzalez, autor do livro “Meu filho não come”, lançado recentemente no Brasil pela Editora Timo.
Para Gonzalez, grande parte dessas mães é orientada por médicos que mandam as crianças comerem mais do que precisam. “O ideal é deixar comer o quanto quiser. Ofereça alimentos saudáveis e deixe seu filho escolher”, orienta o pediatra.

Não enfiar a comida goela abaixo 

Carlos Gonzalez defende que a comida não deve ser levada à boca da criança por um adulto, em nenhuma idade: “Se ela pode colocar um papel na boca, então já pode comer sozinha. Iniciar a introdução alimentar aos seis meses não significa enfiar a comida goela abaixo do seu filho. Se for usar colher, a criança é quem deve mover a cabeça para alcançar o alimento”.

Questão genética é determinante 

Mas, e quando a criança não engorda ou não acompanha a famosa curva de crescimento? Para o médico, o fator limitante do aumento de peso não é a alimentação: “Cada criança tem o tamanho que tem, é genético”. E completa: “Nunca, nunca mesmo, precisamos forçar uma criança a comer. Em hipótese alguma”, afirma Gonzalez.

O poder do exemplo em casa

Gonzalez apresenta tabela comparativa de calorias incluindo o leite materno

Chantagem emocional, prêmios de sobremesa, comparação com o irmão e métodos da moda também devem ser riscados do cardápio. Para Carlos Gonzalez, nada disso vai modificar a conduta do seu filho. O conselho do pediatra para melhorar a alimentação das crianças é um só: “Coma de forma saudável e os pequenos irão imitar. A melhor forma é colocar a comida na mesa e não falar nada. Deixe que a criança pegue o que quiser e quanto quiser. Simplesmente, coma”. E aqui entra a reflexão sobre a importância de conciliar os horários das refeições em família para que a criança aprenda com o exemplo. “Se você escolheu ter filhos é porque acredita que a vida é melhor com eles”, afirma Gonzalez.

Quando se preocupar?

Segundo o pediatra, o único sinal de alerta é quando a criança emagrece repentinamente ou está bem abaixo do peso. Nesses casos, tem que levar ao médico e analisar caso a caso. “Se seu filho corre, brinca e dá muita risada, não precisa se preocupar”, afirma. “Nunca vi uma criança que só come bala, sorvete e chocolate. Algumas vezes elas até fazem uma dieta esquisita, mas isso passa com o tempo”, completa Gonzalez.

Os vilões da alimentação infantil

Sobre os tipos de alimentos oferecidos às crianças, Gonzalez afirma que os sucos e as bolachas são os vilões, são onde as famílias mais erram com os filhos: “O carboidrato dos biscoitos e pães se transforma rapidamente em açúcar e o suco de frutas, mesmo feito em casa, não é saudável pois também tem açúcar de absorção rápida. Fruta não se bebe, ela tem de ser mastigada sempre”, revela.

Exemplo, bom senso e respeito à individualidade de cada criança são os caminhos defendidos pelo autor.

Leitura recomendada!

O livro “Meu filho não come” está à venda no site da editora Timo. O autor é um dos maiores ícones da atualidade em defesa da amamentação e da criação com apego. Na obra, Gonzalez traz conselhos para prevenir e resolver o problema da alimentação com os pequenos, inclusive com relatos de casos reais, propostas de novos métodos e dicas sobre o que não devemos fazer na hora de comer. Vale a pena a leitura!

Imagens: Editora Timo

Poderá também gostar de:

  1. Christiane Junqueira disse: em 14.02.2017

    Ju amei a publicação! Confesso que algumas coisas faço errado 😬😬😬😬. Mas vou procurar pelo livro, pq concordo com os posicionamentos abordados!

  2. Haidee Camelo disse: em 14.02.2017

    Muito pertinente a recomendação. A maioria dos pais erram nesse aspecto. Nunca é demais alertar. Parabéns

  3. Camila Simões disse: em 14.02.2017

    Vi algumas reportagens dele.. realmente interessante. Essa de suco de fruta não ser ideal realmente engana muito a gente!!! Sempre achei que fazia certo. Miguel tem consumido mais frutas ultimamente e ainda bem… beijos Ju.. amei o post

  4. Carol disse: em 14.02.2017

    Excelente texto , tenho uma preocupação muito grande com a alimentação da Mafe . Obrigada Ju.

  5. Renata disse: em 14.02.2017

    Ótima dica.

  6. Bia disse: em 14.02.2017

    Ju, adorei o post!
    Aqui o pequeno come, mas é muito muito seletivo. Louca para ler esse livro! Obrigada por compartilhar.
    Bjos,
    Bia

  7. Nathalia Sartori disse: em 14.02.2017

    Minha irmã também fala bem desse livro. Vou procurá-lo!!

  8. Adriana Fernandes disse: em 15.02.2017

    Como meu filho come pouco e a Pediatra desde cedo me informou que ele come o suficiente, respeito a quantidade que ele come. Mas confesso que sempre ponho um pouco mais na esperança que ele aumente sua quantidade. Mas até hj não funcionou. kkkk
    Amei a matéria!

  9. Tatiane Junqueira disse: em 15.02.2017

    Matéria muito boa! Sou bem chata com a alimentação da Júlia e de fato comemos corretamente a maior parte do tempo aqui porque só assim para dar o exemplo!

Deixe um comentário